sábado, 29 de dezembro de 2012

FELIZ 2013



Trabalhamos com o tempo, driblando seus segundos para bem vivê-lo. Uns consegue dominar as tardes sombrias e entram na noite com a certeza de que a lua brilhará com intensidade, no tempo da cheia, ou que, as estrelas farão um belo espetáculo de luzes guiando seus sonhos. Outros, cansados, adormecem logo, pois no outro dia serão acordados com aurora dos raios do sol. Logo, eles dão bom dia e tudo se insere na ótica do natural.

Assim, correm os dias e os sonhos... Com a expectativa de tecer seus sonhos, muitos vencem... Conquistam na palma das mãos seus objetivos e, para o vindouro amanhã, caminham sonhando...

Fecha-se o ciclo de um tempo cronológico - vai-se 2012. Bom para muitos! Para outros, marcas desagradáveis. Mas, a nós se deu o privilégio de brindar mais um ano: 2013.

Desejo a todos os amigos, àqueles que também não o são. Os de perto, os de longe, os de hoje, os de ontem. Aqueles de décadas, aqueles de um ano, aqueles de um dia e, sobretudo, os de sempre um abençoado ano com sonhos, sucesso, paz e saúde e, que possamos ser felizes e partilharmos as coisas boas que virão. Feliz Ano de 2013.

Abraços de Cristiano Oliveira 

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

ESTRELA GUIA


Já se pode ver a estrela guia 
Brilhando nos céus sua esplêndida Luz
Anunciando para nós a grande alegria
Pois na Terra já se encontra Jesus. 

Cantemos Glória a Deus e paz na Terra

Como entoado pelos anjos em Belém
E nós, aqui unidos, em uma só espera
Façamos do coração uma manjedoura também.


Crisjoli Fingal 

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

VOLTEI


Voltei
Não sei quanto tempo vou ficar
Estou aqui na janela do velho quarto.
Voltei para dar abraços
Pra cuidar dos meus traços.
Voltei para abafar a saudade
E lembrar daquilo que nos marcou
Voltei não pra ficar.
Voltei pela recordação do que foi bom
Voltei pelo cheiro
Pelas marcas que não se apagaram
Aqui estou!
Não sei por quanto tempo!
Em breve partirei...
Ainda não sei o destino
Mas partirei antes do pôr do sol
Caminharei seguindo as estrelas
E a constelação de peixes
Deixo que o céu trace
O caminho do novo.
Voltei pra fazer festa
Celebrar a virada
E partilhar os presentes.
Voltei para cantar com as luzes
E me despedir novamente...

Crisjoli Fingal

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

EDUCAR E FÉ

















Educar é uma crença.
Educar é um ato de fé.
Fé na palavra.
Fé no ser humano.
Fé na vida.
A educação é mais do que
uma apropriação de um tempo
e de um espaço para ensinamentos,
é, sobretudo, um acreditar
na capacidade de cada ser humano.
O educador é o condutor de almas e de corações.
De sonhos e de esperanças,
que nos trilhos de uma sala de aula,
contempla e se maravilha
com cada realização de uma criança. 

Crisjoli Fingal 

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

REMEMÓRIAS



Percorri o lado luminoso da vida
Numa manhã de pouco movimento
Tive tempo de ver o brilho do verde
E escutar o barulho das águas
Corri atrás das poeiras da estrada
Tentando pegar a força do vento
Fiz perguntas para as borboletas
E contei histórias para os pássaros
Sentei debaixo do jequitibá
E contei os números de formigas
Em ligeiras atividades.

Era tempo de primavera
E o mundo pedia paz.
Segui o som da natureza
E encontrei um vale de prece
Pedi alento para os incrédulos!
Passava-se das dez e o sino não soou
Talvez não tivesse mais razão de ser

Parei e observei brincadeiras de crianças
Eram sonhadoras e alegres
Tive saudade do meu pré-escolar.
Olhei para o meu relógio
Faltavam alguns minutos para
A tarde chegar...

 Crisjoli Fingal

sábado, 20 de outubro de 2012

BRAVIO



Brava gente que tão brava surge à mente
A braveza descontente que fere de tão carente
Pois não há nem céu e nem mar que aguente
A vida nesta torrente que massacra tanta gente

O rio à nossa frente depois que surge nas correntes
Correnteza com braveza se alivia à curva da leveza
Para dizer que nem tudo é beleza. Talvez, mais incerteza
Quando a tal da pobreza se mostra pelas enchentes

Bravio o rio que corre ao mar, ante a terra assolar
Vida do povo que busca no chão, o proveito do pequeno grão
Colher da terra tão quente o sonho que só a água faz brotar

Gente com pés na terra, que calcas em preces e oração
O despertar de cada dia em busca do alimento que é pão
Vivendo a certeza de que a vida nasce da palma da mão

Crisjoli Fingal

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

DERIVADOS


Meus olhos têm os brilhos dos raios do sol
Com a mesma intensidade do novo amanhecer
Buscam a beleza da vida com o cântico da prece
Contemplam a esperança e o amor para crer

Do sol que deriva a vida
Clareando o novo olhar
Surge a busca do homem que caminha
Para sua vida encontrar
 
Nos campos... ruas...
Nas praças...
Acontecimentos...
Pelos jardins de rosas.
Alvorecer das aves...
Sol da vida!
Vida que ora ao sol.
Majestosa vida. 


Crisjoli Fingal

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

OUSA-SE



Construa seus sonhos, mesmo que sejam simples. 
Mas, seja ousado e nunca tenha medo de colocá-los bem alto. 
Sempre haverá a possibilidade de ir além.

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Cora Coralina

 (Hoje celebramos o natalício de Cora Coralina (20/08/1889 - 10/04/1985) - 123 anos.
 Nasceu na Cidade de Goiás (GO) Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas )

Às margens do rio vermelho corre serenamente as águas poéticas de um tempo que se eternizou pelos becos e nas pedras da cidade de Goiás.

Cora desperta como nunca, na sua lira poética.
Suas raízes brotam mais uma vez do chão fecundo da literatura.

Cora que tem coragem.
Que tem raízes.
Cora, chão que permitiu a semente a germinar.

Cora de todos os tempos.
Tempo fora do tempo.
Cora, além fronteiras.
Das invernadas sem fim...

Cora da terra e lavra.
Cora das mulheres, dos fracos e indefesos.
Cora que é melodia, prosa e versos.

Cora Coralina,
De todos os dias, 
De todos os momentos,
De todos os discursos...

Cora vida no leito
Leito que dá vida.
Vida corrida...
Coração ao peito
Coralina Coragem
Cora Coração...

 Crisjoli Fingal

terça-feira, 14 de agosto de 2012

VOCAÇÃO

“O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada, caminhando e semeando, no fim terás o que colher” 
Cora Coralina

          A vida de todo ser humano é um dom de Deus."Somos obra de Deus, criados em Cristo Jesus"(Ef 2,10). Existimos, vivemos, pensamos, amamos, nos alegramos, sofremos, nos relacionamos, conquistamos nossa liberdade diante do mundo que nos cerca e diante de nós mesmos.

         Não somos uma existência lançada ao absurdo. Somos criaturas de Deus.

         Não existe homem que não seja convidado ou chamado por Deus a viver na liberdade, que possa conviver, servir a Deus através do relacionamento fraternal com os outros.


Vocação humana - Ser gente, ser pessoa

        Foi nos dada a condição da "liberdade dos filhos de Deus", inteligência e vontade. Estabelecemos uma comunhão com o Criador e, nessa atitude dialogal, somos pessoas. A pessoa aprende a conviver, a dialogar, enfim, a se relacionar. Todos têm direitos e deveres recíprocos.

        Infelizmente, a obra-prima do Criador anda muito desprezada: enquanto uns têm condições e oportunidades, outros vivem na miséria, sem condições básicas para ressaltar a dignidade com que foram constituídos. No mundo da exclusão acontece a "desumanização"'e pode-se perder a condição de pessoa humana. 


quarta-feira, 1 de agosto de 2012

BONDADE



Pratico a palavra do tempo presente
Com o meu bom dia e muito obrigado
Apesar de ver por ai tanta gente
Que parece que só vê o mundo zangado

A gente aprende a driblar os problemas
Espelhando com aqueles que são bons
Construindo com a vida seus esquemas
Que às vezes nem escutamos seus sons.

Porém, existem tantos fracos por ai
Que pensam em articular e fazer o mal
Não conseguem abrir os lábios pra sorri
E seus olhos são tristes e o coração fatal
Para estes, a minha prece inicial.

 Crisjoli Fingal

sábado, 28 de julho de 2012

BADALAM OS SINOS


De Deus vem a paz que o mundo necessita
E aos homens o anúncio da Palavra ressoa
Em orações e louvores, a prece grita
Que do céu venha o bem que o anjo ecoa

Badalam os sinos em tempo de missão
Numa única prece a comunidade faz oração
Partilhando bens e dádivas, a santa comunhão
A Igreja irmana seus filhos numa só vocação

Crisjoli Fingal


terça-feira, 24 de julho de 2012

FERIDA DA ALMA



Machucado está meu coração
Sem curativos para tal ferida
No perdido deste turbilhão
Sou a ovelha perdida.

Dói o peito do meu jeito
Nenhuma noite tem paz
Agora já está o tal feito
Meu amor aqui jaz.

Fiz da vida um tempo sem fim
Amei do mais profundo de minh’alma
Agora o que será de mim
Sem o amor que me acalma?

Crisjoli Fingal

terça-feira, 17 de julho de 2012

RASTROS




Pelas caminhadas da vida
iluminou-se minha alma com
uma porção de paciência

Sem destinos...
em paz adormecida
conduzi meus passos sem
cansaço e sem violência

Ficou no meio do caminho
a dúvida perdida
com rastros de clemência.

Crisjoli Fingal 

sábado, 14 de julho de 2012

DIA INTERNACIONAL DO HOMEM



        SER HOMEM

Lembrado ou esquecido diante de sua dureza
Amado, envelhecido perante sua natureza.
Homem, criado pelas mãos do Criador.
Deus fez o homem!
O fez à sua imagem e beleza. Deu-lhe razão.
Confiou a inteligência. Para amar com o coração. 
Amou sua criação.

Homem que tem fé, como a de Jacó, Isaac e Abraão.
Homem que acredita em Jesus de Nazaré. 

Filho de Deus. Que foi amado por José; 
exemplo de trabalho, paternidade e doação. Homem de fé. 

Homem do passado, das guerras e lutas. 
Das fábricas, das cidades, das jornadas e labutas. 
Homem das letras, da filosofia e da ciência.
Homem da escrita, das palavras e da gerência. 
Homem do presente e do futuro. 

Homem que é menino, com brincadeira de infância. 
Que corre, pula, joga bola porque quer ser criança. 
Homem que perde a inocência. Fica adulto. Parte... Busca... Planta! 
Homens que são homens. Exemplos de vida. Estes, o sim!
Outros, o não. Perdidos, presos nas prisões. 
Homem sem espelho. Violento, Avarento. Ladrão. Exemplo do não. Mas, merece uma reconciliação.

Homem amor de pai, trabalhador. 
Que luta para sustentar o lar, ganhando o digno pão. 
Homem que é marido, pai, esposo, filho, avô, tio, irmão.
Homem que é político, consagrado, educador, artesão. 
Homem poeta, do campo, da tecnologia, da fé e do chão. 
Homem! Imagem da criação!



Crisjoli Fingal

segunda-feira, 2 de julho de 2012

CONGRESSO DE EDUCAÇÃO

Congresso Internacional de Educação 
Pouso Alegre  - 29/06/2012



Ensinar

O exercício da docência deve mesclar o campus do desejo do ensinar, com a vontade de aprender – relação que se faz entre professor e aluno, na relação homem e mundo; condição fundamental para o desenvolvimento embrionário do ato em si da aprendizagem. Educando-se, se ensina e se aprende que a relação entre sujeitos, faz e permite-se fazer, através do desejo e da necessidade de conhecer, compreendendo as realidades dimensionais que os envolvem. Esta dimensão deve ultrapassar o limite que impomos como incapazes de superar os conceitos e os medos do novo conhecimento
            O ser humano educa e se educa, enquanto faz o seu processo de caminhada do ser, do estado físico da existência, perpassando para o estado psicossocial, em sua relação de mundaneidade.
             O desenvolvimento desta rudimentar fase de mundaneidade acontece no ato do ensinar. Ensinar no pensamento da filosofia de Aristóteles é levar o homem a alcançar sua plena realização, mas isso só se torna possível se ele desenvolver suas faculdades físicas, morais e intelectuais. Para o filósofo, a virtude intelectual se adquire pela instrução e pela virtude moral.
            Só ficaremos incólumes às amarras da ignorância, se formos capazes de engrenar nossa existência, enquanto entes sociais, na esfera educacional. A escola é, por si só, o lugar da fomentação do mundo e das possibilidades. A realidade homem e mundo só existem num envolvimento recíproco, eles coexistem, um não existe sem o outro. Segundo Heidegger, o homem é sempre, e já, ser com o outro. Não há possibilidade de ser sem o outro.
            Na vertente desta reciprocidade é que acontece o ato de ensinar. Homem e mundo se constituem essencialmente no ato de existir. Portanto, a educação é a possibilidade humana de transpor valores e conceitos ao mundo. E é por meio da escola que podemos realizar o mérito de sermos seres com conhecimento completo de nossa missão de estar no mundo.
            No pensamento de Fernando Pessoa:
         "Tudo em nós está em nosso conceito do mundo; modificar o nosso conceito do mundo é modificar o mundo para nós, isto é, é modificar o mundo, pois ele nunca será, para nós, senão o que é para nós."
        O mundo representa para nós, aquilo que nós, enquanto pensadores, compreendemos dele. 
        A arte e a poesia podem nos ajudar a compreender, de maneira mais significativa, o sentido do ato da ensinagem. O homem que comparece como abertura a compreensão, é  capaz de pôr o ser a descoberto e de revelar o significado do mundo. "Pois o homem é acontecer, é o andamento histórico que se destina na liberdade."

            Quiçá as rosas no instante do desabrochar 
           Tivessem a fragrância e tamanha beleza
           Que os jardins do universo, sem chance de errar.
           Conferissem a elas, o direito da eterna realeza. 




Professor Cristiano Oliveira 

domingo, 24 de junho de 2012

UM DIA A GENTE APRENDE



Um dia a gente aprende que a vida é assim mesmo:
misteriosa, passageira e incompreensível. 
A gente aprende que tudo passa.
As folhas secas caem ao final da estação
E que os dias passam ligeiros.

A pele envelhece e os cabelos ficam brancos. 
A gente aprende que tudo acaba.
Aprende que as lágrimas foram importantes.
Mas, que os sentimentos não são eternos.

A gente aprende que os prêmios viram história.
Que os aplausos cessam e que o sorriso adormece.
A gente aprende que as roupas molhadas secam com tempo.
E que o café esquecido na xícara esfria. 
A gente aprende que o sol nunca se vai
Mas, que somos nós que giramos com o o Planeta.

A gente aprende que os amigos se vão...
Que a família um dia acaba e que o perfume se esvai.
Que os sonhos se realizam e que o amanhã chega.
A gente aprende que o perdão acontece
E que  o rancor se desfalece. 

A gente aprende que os livros nas estantes
Ajuntam poeiras e suas páginas ficam amarelas.
A gente aprende que um dia as camas ficam vazias
e os travesseiros ficam solitários.

Que as fotos contam como os momentos foram especiais
e como a gente fez coisas loucas.
Que as poses eternizam e que Deus foi
o único que não passou e que há coisas na vida
Que nunca mais poderemos repetir.

Um dia a gente aprende que tudo morre!
Por isso valeu a oportunidade de viver o hoje.

Crisjoli Fingal

domingo, 17 de junho de 2012

TEMPO PARA O AMOR



Com o coração na mão escrevi umas linhas para falar do amor
Foi difícil compreender esta tal saudade que divide o tempo
Em fragrâncias perdidas, nas lembranças com um leve odor.
Picotadas em palavras, meu diário ficou em lamúrias e lamento

Com as páginas em lágrimas, não consegui compreender esta dor
Escrevi para que o mundo me compreenda o final deste alento
Mãos suadas de tanta força, sem jamais conseguir aliviar o calor
Sempre ficará em vaga manifestação, o inexplicável tormento.

Amor em dose duvidosa nos caminhos de um pequeno sonhador
Curvas incertas e incompreendidas de um inexplicável sentimento
De dias e longas horas, nas meditações de um apaixonado escritor.

Crisjoli Fingal

quinta-feira, 24 de maio de 2012

APRENDA


Aprenda a ver a vida com os olhos da alma. Valorize seus dias, seu trabalho, seus amigos.

Aprenda a dar Bom Dia! Deseja sucesso, boa sorte e nunca se esqueça de dizer: Muito Obrigado!

Aprenda a ver o sol. Contemple o amanhecer. Levante cedo! Tenha o desejo de cantar com os pássaros partindo em busca dos seus sonhos.

Aprenda a parar no fim da tarde para ver o pôr do sol. Você precisa descansar ao término do dia. Ver o retorno das garças para o seu reduto.

Aprenda a andar anti-horário. Não é um retrocesso, nem perda de tempo. Sim, o momento de rever os passos.

Aprenda a agradecer a Deus pelas oportunidades e, valorizar as pessoas que contribuíram com sua caminhada.

Aprenda a olhar o mundo com mais amor, esperança e alegria, desta forma você estará plantando vidas.

Não fique preso aos rancores. Não queira entender o mistério da vida. Viva o presente! Faça planos! Realize suas tarefas!


Tenha desejos. Muitos amores. Não desperdice seu tempo. Conte as estrelas do céu. Aprenda a esperar o fim de semana. Planeje suas diversões. Saia com os amigos. Mande Cartas. 

Se conseguires fazer apenas uma destas coisas, você conseguiu ser um pouco ser humano.

Crisjoli Fingal


terça-feira, 22 de maio de 2012

CONTEMPLAÇÃO


Teus medos, teus martírios são sensibilidade.

Tuas sombras caem ao vento com sobriedade.

Nada se perde! Tudo se esvai,

                                       lentamente...

Numa viagem que transforma a mente.


Crisjoli Fingal

sábado, 12 de maio de 2012

MÃE, REFLEXO DO AMOR DE DEUS


Mãe, palavra doce e de conforto, que jamais nos deixa solitários.

Mãe, expressão educativa que ensina o caminho correto da verdade e da justiça, sempre preocupada com a vida em retidão e, com o sucesso dos filhos.

Mãe é força da palavra amiga que não nos abandona. Palavra que conforta. Que cura as dores dos homens, nos momentos de angústias e de fraquezas.

Mãe é o reflexo do amor de Deus. Ama-nos incondicionalmente e, nos perdoa com o coração sempre aberto, para que possamos continuar a nossa caminhada, cada dia melhor.

Mãe é a lágrima que cai, quando o coração está lotado de dor e de sofrimento. É a lágrima que emociona quando os filhos superam os obstáculos e conquistam seus sonhos.

Mãe é a coragem ilimitada que nunca fracassa. Parece que não se cansa. Não tem medo dos obstáculos, quando à sua frente se encontram seus filhos.

Mãe é a vida. Vida que gestou outra vida. Vida abençoada! Vida na graça! Vida que foi bendita e que nos trouxe ao mundo.

Todos nós somos gratos aos gestos nobres e sublimes que nos tocaram em momentos difíceis da nossa vida; ensinando-nos que o amor é a única condição para podermos superar as dificuldades e limitações humanas.

Crisjoli Fingal

quarta-feira, 9 de maio de 2012

INTEGRAÇÃO DO PENSAMENTO



           Pensar a educação nos tempos atuais é uma tarefa árdua que exige muito mais do que um exercício racional, deve pensá-la a partir do coração. Os desafios pedagógicos são cada vez mais visíveis e difíceis e, vão surgindo a partir das exigências sociais e culturais, que norteiam a evolução global.
           O papel pedagógico dentro da escola deve pautar-se por uma compreensão de mundo que procure atender à criança em toda a sua constituição seja familiar, psicológica, afetiva e/ou comunitária.
           O pensamento é um instrumento pelo qual o ser humano modifica o seu mundo e o seu exterior. Este processo é complexo. Pensar é elaborar e organizar sínteses complexas de significados a partir de processos afetivos e cognitivos.
         No desenvolvimento da pessoa humana, enquanto detentora do conhecimento faz-se necessária a integração do pensar, sentir e agir, sempre focados numa mesma direção. A consciência da interdependência destes três aspectos pode ser a chave para compreensão de nós mesmos, da descoberta do novo mundo e de outras pessoas.

(Trecho da palestra: A interdependência do pensar, sentir e agir; integração dos aspectos cognitivos no desenvolvimento pedagógico, a partir da obra literária “O mágico de Oz”.
Prof. Cristiano Oliveira
            
            

sexta-feira, 27 de abril de 2012

OFÍCIO DE MADRIGAL



Dê uma olhadinha pela janela, dona Madrigal
A chuva vem descendo lá do alto da serra!
Vai correndo recolher a roupa no varal
Antes que os pingos d’água caiam na terra.

Recolhes teus caprichosos e brancos lençóis
Que aos ventos, aos poucos, já se secaram.
Olha nos campos a beleza dos girassóis
Em suas flores douradas, ao solo adornam.
          
Madrigal corra depressa antes da chuva chegar
Os girassóis já estão dançando em festa
E os lençóis no varal começam a se molhar

Pingos d’água que já estão se engrossando
Trazendo o cheiro da terra e da floresta.
Corra Madrigal, os lençóis já estão molhando.

Crisjoli Fingal 

terça-feira, 24 de abril de 2012

POETAS


Poetas se emocionam com olhar de uma criança,
  Com o cantar dos pássaros e
          com o vento nas árvores
  Com a beleza dos homens e
          com um pingo d’água
  Com o verde dos montes e
          com o perfume das flores

Poetas choram com a alma e se alegram com o silêncio
Rezam com a alma e caminham pelas madrugadas
Esperam por horas e dias, o desabrochar de uma flor
Só para ver o adeus do botão e a beleza encantada.

Poetas são seres quase invisíveis
que choram na dor e na alegria.
           Emocionam-se com a vida e
           com o despertar de um novo dia.
Sentem o mundo tão diferente, retalhado em demasia.
           (Melhor não ser poeta)
             ... se a dor que deveras sente
                            o poema não alivia.

Crisjoli Fingal

sexta-feira, 20 de abril de 2012

POR ENTRE MUROS E PAREDES



Ficamos presos nos “muros das lamentações” cotidianas que erguemos como proteção para resguardar nossas propriedades adquiridas com os conceitos e discursos hipócritas. Muros que fazem parte de uma sociedade politizadora com formas consideradas corretas e universalizantes. Uma sociedade delirante que prega o medo e a indiferença para com o outro.

 

Nossas paredes e nossos muros dividem o mundo politicamente correto, dentro de nossos valores com o mundo do outro; que quando não se encaixa com nossas reservas, fica à deriva.

 

Dividimos o mundo de nossas casas com as dos vizinhos e com as ruas incertas; ora agitadas, ora desertas no auge das madrugadas.

 

Pelas ruas transitam pessoas solitárias, atribuladas, estressadas e cheias de compromisso. Pessoas cansadas e com medo umas das outras; medo da violência, medo de tudo. Medo do incerto.

 

Por outro lado, há aquelas que têm carinho. Pessoas que tem fé. Que acreditam no amanhã. Que acreditam no ser humano. Pessoas que querem ver as paredes erguidas como forma de habitação. Paredes que protegem e que são sustentadas por vigas de uma amizade solidificada nos valores humanos. Paredes que não são apenas divisoras de dois mundos, mas que são capazes de guardar as telas mais belas da vida; nossa verdadeira imagem.

Crisjoli Fingal

sábado, 14 de abril de 2012

SABOR PARA ALMA



Minha saudade é de um copo de café com leite
Pedaço de bolo de fubá com erva-doce.
Cheiro de fogão à lenha...
Que traz boas memórias da infância.

Coisas de domingo à tarde
Quando a casa tinha visita
Ou dos dias corriqueiros
Quando o sol já ia se despedindo.

Saudade bonita!

Coisa simples da roça em volta da família
“causos” de gente antiga.
Memórias dos tempos em que os avós existiam
E falavam dos bons costumes.
Teciam sobre o respeito ao mundo!

Saudades da inocência de criança
em que a alma não torcia aos pedaços.
Não tinha coisas complicadas;
contas para pagar e, 
um amanhã incerto para se preocupar.

Saudades da vida sem complicação
Sem medo...
Sem incertezas...
E do bom café que unia e reunia
as pessoas para as boas prosas.

Que doce recordação para minha alma.
Crisjoli Fingal

Cora Coralina

Loading...