terça-feira, 30 de novembro de 2010

sábado, 20 de novembro de 2010

Dia da Consciência Negra


A melhor forma de incluir é estar no processo de inclusão. Ninguém faz mudança, se não passar primeiro por ela.

O dia da consciência negra é uma data para revermos os conceitos e valores que solidificam o nosso modo de pensar a vida.

Hoje é um dia propício para erguermos nossa consciência em favor do outro, o negro-irmão que nos ensina a partilhar do mesmo pão, com a alegria e festividade que caracteriza a raça negra.



Tela: " Vendedora de Milho" de Toia Neuparth

domingo, 10 de outubro de 2010

Dia do Professor



"Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo."

Paulo Reglus Neves Freire
(1921 -1997)



Educador Brasileiro


Dia dos Professores

Educar é uma arte milenar que conduz o ser humano, leva-o a sair do engano que a limitação ou imposição do mundo quer lhe conferir.

O papel do educador qualquer que seja esse, seja dúvida ou dor, sempre será feito com amor, pois ele faz do seu trabalho não um quebra-galho, mas um fio condutor, na certeza de que na vida de uma criança é e sempre será um agente transformador.

Na maioria das vezes, ao chegarmos ao topo, ao alcançarmos o ideal pretendido nos esquecemos de que lá estamos pela força da educação que recebemos. Esquecemos que lá chegamos porque aprendemos pela vida que se revelava nas palavras do mestre que nos ensinava a sabedoria do bem viver.

Hoje, até parece que a sociedade não mais carece do ensino do professor. Não há agradecimentos nem preces, pelo ato do labor que foi feito com lutas e insônias, pelo ensino sem parcimônia do trabalho do educador.

Amigo professor, tudo que agora escrevo a você devo por me ensinar. Na escola é que aprendi que a vida que se vive aqui, tem que saber enfrentar. Aprendi que a pessoa do outro, eu devo amar e respeitar, pois o que eu lhe fizer a mim vai retornar.

Tem gente que acredita e diz que pior que está não fica esta vida na sua mesmice, não sei se isto é verdade ou apenas um jeito de rimar, mas sei que ninguém quer ver o ser humano em esperanças e horizontes, sem condições de lutar.

Por isso é que agradeço quem me ensinou a ler, a escrever, a falar o que sinto e a observar que os valores que eu recebi no meu berço são aqueles que nunca vão se esgotar.

Por isso neste dia tão especial de festa, que não é natal, mas é importante, é preciso que se fale de gratidão, de agradecimento e de valorização deste que sempre foi é e será o mestre. Aquele que apesar de tudo vive para nos ensinar.

Cristiano José de Oliveira

Mensagem postada no site:
http://www.sipromag.com.br/ em homenagem ao Dia dos Professores.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Caricatura Selvagem

Enquanto nos preparamos para o outubro, mês das crianças e dos professores, somos surpreendidos pela eleição, tempo de democracia, cidadania e hipocresia.
São tantas "ias" que a vida perde a sua harmonia, numa tentativa de compreender esta simbologia discursiva dos palcos, palanques e fantasia. Parece que o jeito é se caracterizar de marionetes e brincarmos de faz de conta. Mas, infelizmente não é brincadeira. A coisa é séria.
Não podemos ser idiotas e fingir que tudo esta bem. A banda passa e, enquanto isso alguns restam nos bancos das históricas praças vendo o movimento...

Renato Russo expressou muito bem isso na canção abaixo.

Índios

(Legião Urbana)


Quem me dera, ao menos uma vez,
Ter de volta todo o ouro que entreguei
A quem conseguiu me convencer
Que era prova de amizade
Se alguém levasse embora até o que eu não tinha.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Esquecer que acreditei que era por brincadeira
Que se cortava sempre um pano-de-chão
De linho nobre e pura seda.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Explicar o que ninguém consegue entender:
Que o que aconteceu ainda está por vir
E o futuro não é mais como era antigamente.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Provar que quem tem mais do que precisa ter
Quase sempre se convence que não tem o bastante
E fala demais por não ter nada a dizer

Quem me dera, ao menos uma vez,
Que o mais simples fosse visto como o mais importante
Mas nos deram espelhos
E vimos um mundo doente.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Entender como um só Deus ao mesmo tempo é três
E esse mesmo Deus foi morto por vocês -
É só maldade então, deixar um Deus tão triste.

Eu quis o perigo e até sangrei sozinho.
Entenda - assim pude trazer você de volta prá mim,
Quando descobri que é sempre só você
Que me entende do inicio ao fim
E é só você que tem a cura pro meu vício
De insistir nessa saudade que eu sinto
De tudo que eu ainda não vi.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Acreditar por um instante em tudo que existe
E acreditar que o mundo é perfeito
E que todas as pessoas são felizes.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Fazer com que o mundo saiba que seu nome
Está em tudo e mesmo assim
Ninguém lhe diz ao menos obrigado.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Como a mais bela tribo, dos mais belos índios,
Não ser atacado por ser inocente.

Eu quis o perigo e até sangrei sozinho.
Entenda - assim pude trazer você de volta prá mim,
Quando descobri que é sempre só você
Que me entende do início ao fim
E é só você que tem a cura pro meu vício
De insistir nessa saudade que eu sinto
De tudo que eu ainda não vi.

Nos deram espelhos e vimos um mundo doente
Tentei chorar e não consegui.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

DIA 21 DE SETEMBRO - DIA DA ÁRVORE



Jequitibá (Cariniana estrellensis)

Lindo! Imponente!
Rei da floresta tropical!
Belíssima árvore soberana sobre todas as outras plantas!
Em tupi-guarani significa "gigante da natureza"
Chegando a uma altura de até 60 metros!
Certamente, antes dos desmatamentos devastadores
pós descobrimento brasileiro, sua altura ultrapassava essa marca...
Privilégio nosso da região sudeste,
apenas aqui ela aparece.
Com 3 mil anos de vida e
ainda é capaz de florescer e frutificar!
Viva eternamente, guerreira da floresta!













Vamos plantar esta ideia!!!











Pés de Jacarandá

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

20 de Agosto - 121 anos de Nascimento de Cora Coralina



20 de Agosto - Nascimento de Cora Coralina


Ana Lins dos Guimarães Peixoto
- Cora Coralina -
Nasceu em 20 de agosto de 1889
Partiu em 10 de abril de 1985.
Cidade de Goiás - Go










Hemerocallis Cora Coralina



Aninha e suas pedras

Não te deixes destruir...
Ajuntando novas pedras
e construindo novos poemas.
Recria tua vida, sempre, sempre.
Remove pedras e planta roseiras e faz doces. Recomeça.
Faz de tua vida mesquinha
um poema.
viverás no coração dos jovens
e na memória das gerações que hão de vir.
Esta fonte é para uso de todos os sedentos.
Toma a tua parte.
Vem a estas páginas
e não entraves seu uso
aos que têm sede.

Cora Coralina (Outubro, 1981)

sábado, 7 de agosto de 2010

FELIZ DIA DOS PAIS


Pai, meu velho pai. Mãos marcadas pelas duras lidas na terra.
Pai, homem simples! Jeito pacato!
Homem de saúde invejável. Matuto!
Homem do Mato. Amante dos bichos e da natureza.
Homem caçador. Contador de "causos".
Pai, meu velho pai. Avô, bisavô.
Descendente de uma longa estirpe.
Parabéns meu pai.

sábado, 31 de julho de 2010

Homenagem a "Sá Maria Manuela"



MARIA MANOELA AMARO DE JESUS

Nasceu no dia 13/05/1898
Faleceu no dia 11/07/2010

Sem sombra de dúvida uma senhora de exemplo a ser emitado. Seus longos anos de vida nos mostrava sua guerra e vontade de viver.


Partiu com seus 112 anos de vida.


“Dona Maria Manuela,
A senhora passou,
Mas ficaram pelo chão as marcas dos seus passos.
A senhora passou,
Mas ficou o seu tom de voz.

A senhora passou,
Mas ficaram seus conselhos, sua palavra amiga, seu sorriso, sua alegria,
E, principalmente, sua virtude e atitudes sem par.
A senhora passou,
Mas ficou sua postura honesta,
A generosidade de suas mãos
Estendidas em nossa direção.
Ficou sua referência,
Um exemplo a ser imitado.
A senhora passou
E ficou o prazer de termos conhecido e convivido com a senhora.
Somados os momentos de alegria,
Divididas as desilusões e as tristezas silenciosas em seu coração.
Mulher guerreira, trabalhadeira, Mãe guerreira e carinhosa.
Sempre muito religiosa e frequentadora assídua da casa de Deus.
Foi abençoada por Ele, e teve o privilégio de conviver durante muitos anos, como matriarca, as várias gerações de sua família.
Hão de ficar, na sucessão de lembranças
Arquivadas no tempo e no espaço,
A saudade do povo olímpionoronhense,
Oscilando, flutuando,
Indo e voltando,
Imagens que jamais poderão ser apagadas.
Porque a senhora, sem perceber
Acabou por escrever um verso lindo,
Um poema de amor
Em cada um de nossos corações.
Não, a senhora não vai passar!
Ontem, hoje, para todo o sempre,
Será reconhecido o seu valor!
Seja honrada,
Seja respeitada
A sua identidade
Como ser humano que foi.
Que Deus a carregue na palma de suas mãos.
A VOVÓ de todos nós,
Sempre será lembrada,
Admirada e amada.
Descanse em paz!

(Texto de homenagem publicado no "Jornal Panorama" Edição nº 495 de 23 de Julho de 2010, página 2)

Eternas Saudades do povo de Olímpio Noronha.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

15 de Julho - DIA INTERNACIONAL DO HOMEM


SER HOMEM



Lembrado ou esquecido diante de sua dureza
Amado, envelhecido perante sua natureza.
Homem, criado pelas mãos do Criador.
Deus fez o homem!
O fez à sua imagem e beleza. Deu-lhe razão.
Confiou a inteligência. Para amar com o coração.
Amou sua criação.

Homem que tem fé, como a de Jacó, Isaac e Abraão.
Homem que acredita em Jesus de Nazaré. Filho de Deus. Que foi amado por José; exemplo de trabalho, paternidade e doação. Homem de fé.

Homem do passado, das guerras e lutas.
Das fábricas, das cidades, das jornadas e labutas.
Homem das letras, da filosofia e da ciência.
Homem da escrita, das palavras e da gerência.
Homem do presente e do futuro.

Homem que é menino, com brincadeira de infância. Que corre, pula, joga bola porque quer ser criança.
Homem que perde a inocência. Fica adulto. Parte... Busca... Planta!
Homens que são homens. Exemplos de vida. Estes, o sim!
Outros, o não. Perdidos, presos nas prisões. Homem sem espelho. Violento, Avarento. Ladrão. Exemplo do não. Mas, merece uma reconciliação.

Homem amor de pai, trabalhador.
Que luta para sustentar o lar, ganhando o digno pão.
Homem que é marido, pai, esposo, filho, avô, tio, irmão.
Homem que é político, consagrado, educador, artesão.
Homem poeta, do campo, da tecnologia, da fé e do chão.
Homem! Imagem da criação!


Cristiano Oliveira

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Acróstico


C riatura
R racional.
I nstigante. Tem a
S abedoria da humildade.
T rabalhador.
I ntelectual e
A mante da alma feminina.
N ós queremos te dizer:
O brigado!

Ana Cláudia


Homenagem de Ana Cláudia no dia do Sarau de Poesias, em agradecimento pelas Oficinas de Poesias.

Muito Obrigado Aninha

Cora Coralina

Loading...