segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

DIVISOR DE SENTIDOS


Na curva do rio
Há um divisor de vida
Corre água para o norte
Seca o rio para o sul
Pousa o pássaro no fio
Seu canto é voz perdida
Entoa o som da morte
Leva o canto ao céu azul
Sem águas para o sul
Sem destino e sem sorte
Sem morte e sem vida
O pássaro é sem pio

domingo, 15 de janeiro de 2017

COISAS DE VERÃO


No fim da tarde
O sol já se despia
Despedia em silêncio
Na rua, a poça de água
Chuva de verão
Que na tarde caia.
Na turva água,
O céu não refletia
Dancei na poça d’água
Dancei na água fria.
Dança de verão
O samba que aquecia
A batida de carnaval
Tambor e berimbau
Cantei na tarde,
Dancei a noite,
Fugi do dia.
Nas poças d’águas
Dancei pelas ruas da Bahia.



sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

DELÍRIOS



Se é feito de tempo
Tem sabor de saudade.
Se é feito de saudade
Tem sabor de desejo.
Se é feito de desejo
Tem sabor de beijos.
Se é feito de beijos
Tem sabor de luxúrias.
Se é feito de luxúrias
Tem sabor de pecado.
Se é feito de pecado
Tem sabor de perdão.
Se é feito de perdão
Tem sabor de abraço.
Se é feito de abraço
Tem sabor de quero mais.
Se é feito de quero mais
Tem sabor de tempo. 

Crisjoli Fingal

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

REGRESSO



Atravessei a porta aberta
Cai numa vazia,
Em uma madrugada deserta.
O som da noite era o vento
E o gemido do silêncio
Era a dor e o desalento.
Meus passos quebraram a madrugada
O frio das pedras
Deixou a dor machucada
Pra traz...
Ficaram palavras incertas,
O passo desatento
E a saudade apertada.

Crisjoli Fingal

domingo, 3 de janeiro de 2016

NOVO LAÇO


Mensure o meu nome,
em tuas orações.
Recordando,
pelo menos uma vez,
de uma doce lembrança.

O universo bendirá o teu coração.
E, tuas mãos, unidas,
serão testemunhas
das boas intenções.

Não terão mensagens...
Nem o calor do abraço!
Só energia do cosmo
E, o feito de um novo laço.

Numa esquina...
No barco qualquer...
Na mesa de um bar.
Ou de onde vier.

No banco da praça!
No entardecer de um cais
No voo da garça.
Ou pelas Minas Gerais.

O teu espelho,
será o meu eu.
Teu silêncio,
o meu barulho.
Tua amizade,
um porto.
E, tua recordação,
mais um encontro!

Crisjoli Fingal

sábado, 2 de janeiro de 2016


O que restou não foi de ninguém
Nem espinhos e galhos cedidos
O perfume partiu com alguém
Levando consigo sonhos perdidos.
Com o tempo, se foi o botão...
Cedendo lugar à beleza da flor
As pétalas adormeceram ao chão
Sem lembranças da declaração de amor.

Crisjoli Fingal

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

UMA PARTE DE MIM



Há uma parte de mim, 
que me incomoda, me gira, me roda, 
que parece não ter fim.

Há uma parte de mim, que insiste em nós dois
revira o passado, mostra o lado do antes e do depois
me deixa calado, mas não sou dominado pelos seus ‘ois’ .

Uma parte de mim que é violenta,
me irrita e me tormenta
e não cansa, enfim..

Uma parte de mim...
Que é tão fugaz, astuta e voraz
Que é tão bruta, que me assusta e me compraz.

Há uma parte de mim que é locução
que tem poesia, que é provocação
que rasga a magia do meu coração.

A outra parte de mim é gota, é mar
é faísca, é fogo de pedra a lascar.
Esta parte de mim é vento de longe
que não esconde o tempo pra amar.

Crisjoli Fingal

Cora Coralina

Loading...