sexta-feira, 27 de abril de 2012

OFÍCIO DE MADRIGAL



Dê uma olhadinha pela janela, dona Madrigal
A chuva vem descendo lá do alto da serra!
Vai correndo recolher a roupa no varal
Antes que os pingos d’água caiam na terra.

Recolhes teus caprichosos e brancos lençóis
Que aos ventos, aos poucos, já se secaram.
Olha nos campos a beleza dos girassóis
Em suas flores douradas, ao solo adornam.
          
Madrigal corra depressa antes da chuva chegar
Os girassóis já estão dançando em festa
E os lençóis no varal começam a se molhar

Pingos d’água que já estão se engrossando
Trazendo o cheiro da terra e da floresta.
Corra Madrigal, os lençóis já estão molhando.

Crisjoli Fingal 

terça-feira, 24 de abril de 2012

POETAS


Poetas se emocionam com olhar de uma criança,
  Com o cantar dos pássaros e
          com o vento nas árvores
  Com a beleza dos homens e
          com um pingo d’água
  Com o verde dos montes e
          com o perfume das flores

Poetas choram com a alma e se alegram com o silêncio
Rezam com a alma e caminham pelas madrugadas
Esperam por horas e dias, o desabrochar de uma flor
Só para ver o adeus do botão e a beleza encantada.

Poetas são seres quase invisíveis
que choram na dor e na alegria.
           Emocionam-se com a vida e
           com o despertar de um novo dia.
Sentem o mundo tão diferente, retalhado em demasia.
           (Melhor não ser poeta)
             ... se a dor que deveras sente
                            o poema não alivia.

Crisjoli Fingal

sexta-feira, 20 de abril de 2012

POR ENTRE MUROS E PAREDES



Ficamos presos nos “muros das lamentações” cotidianas que erguemos como proteção para resguardar nossas propriedades adquiridas com os conceitos e discursos hipócritas. Muros que fazem parte de uma sociedade politizadora com formas consideradas corretas e universalizantes. Uma sociedade delirante que prega o medo e a indiferença para com o outro.

 

Nossas paredes e nossos muros dividem o mundo politicamente correto, dentro de nossos valores com o mundo do outro; que quando não se encaixa com nossas reservas, fica à deriva.

 

Dividimos o mundo de nossas casas com as dos vizinhos e com as ruas incertas; ora agitadas, ora desertas no auge das madrugadas.

 

Pelas ruas transitam pessoas solitárias, atribuladas, estressadas e cheias de compromisso. Pessoas cansadas e com medo umas das outras; medo da violência, medo de tudo. Medo do incerto.

 

Por outro lado, há aquelas que têm carinho. Pessoas que tem fé. Que acreditam no amanhã. Que acreditam no ser humano. Pessoas que querem ver as paredes erguidas como forma de habitação. Paredes que protegem e que são sustentadas por vigas de uma amizade solidificada nos valores humanos. Paredes que não são apenas divisoras de dois mundos, mas que são capazes de guardar as telas mais belas da vida; nossa verdadeira imagem.

Crisjoli Fingal

sábado, 14 de abril de 2012

SABOR PARA ALMA



Minha saudade é de um copo de café com leite
Pedaço de bolo de fubá com erva-doce.
Cheiro de fogão à lenha...
Que traz boas memórias da infância.

Coisas de domingo à tarde
Quando a casa tinha visita
Ou dos dias corriqueiros
Quando o sol já ia se despedindo.

Saudade bonita!

Coisa simples da roça em volta da família
“causos” de gente antiga.
Memórias dos tempos em que os avós existiam
E falavam dos bons costumes.
Teciam sobre o respeito ao mundo!

Saudades da inocência de criança
em que a alma não torcia aos pedaços.
Não tinha coisas complicadas;
contas para pagar e, 
um amanhã incerto para se preocupar.

Saudades da vida sem complicação
Sem medo...
Sem incertezas...
E do bom café que unia e reunia
as pessoas para as boas prosas.

Que doce recordação para minha alma.
Crisjoli Fingal

quarta-feira, 11 de abril de 2012

LOUCURAS

Tem loucura na boca dos sábios
quando manifestam o pensamento.
Tem loucura na ponta dos lábios
quando estão cheios de sentimentos.

Tem loucura na cabeça dos poetas
quando veem o mundo do seu jeito.
Tem loucura nas horas incertas
quando tem desejos brotando no peito.

Tem loucura no ato de amar
quando se perdem toda a razão.
Tem loucura sem medo de errar
quando se buscam viver o tesão.

Crisjoli Fingal

domingo, 8 de abril de 2012

LAÇOS


Foto Cristiano Oliveira

Transitamos por caminhos tão diferentes
que às vezes somos surpreendidos pelos laços
que vão surgir à nossa frente.

Há caminhos que nos apresentam situações inusitadas
que acabam nos prendendo e fazendo
com que nossa jornada seja  de subida e descida

Caminhos que poucos passam...
   Outros,
jamais terão a oportunidade de transitar..
   Mas,
são caminhos que deixam um pouco de saudade...

Caminhos que tem emoção!
Caminhos inusitados...
Caminhos silenciosos...
Caminhos de esperança!

Caminhos aonde cada olhar gera uma poesia.
Cada poesia gera uma sensação nova
de querer estar por ali, por mais um tempo.
Tempo que não pára. 
Tempo que nunca existiu. 
Tempo que também jamais existirá.

Caminhos...
que serão transitados por novas pessoas
e, quem sabe pelas mesmas pessoas 
que passaram por eles, 
pela simples sensação da saudade...

Crisjoli Fingal  

ELE ESTÁ NO MEIO DE NÓS!




Soam os sinos. Cantam os anjos nos altos dos céus: Aleluia! O grande vazio que nos angustiava foi preenchido pela alegria do novo tempo. Tempo da nova Luz. 

Da vida nova que ressurge das profundezas do universo, onde a tristeza e a morte ficaram para sempre. Jesus ressuscita para trazer a cada um nós a possibilidade de fazermos uma nova caminhada no amor divino.


Páscoa é a grande passagem terrena, onde a vida passou pela morte e mostrou que foi definitivamente mais forte. Onde todas as formas de violência, de abuso, de incertezas foram transformadas pela fé e esperança de um novo tempo.

Quebram os sons dos ventos com os louvores que preenchem o universo. Eis o tempo da alegria! Jesus quer ficar conosco. Ele caminha conosco. Consola o nosso coração. Orienta nossa estrada. está no meioDá sentido aos nossos passos. Ele  de nós!


Crisjoli Fingal 

sexta-feira, 6 de abril de 2012

PAIXÃO DE JESUS



Sexta-feira Santa! A Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus é consumada no alto do madeiro. Jesus, o Cordeiro se imola no altar da Cruz para que, sua oferta de sacrifício purifique, redime e liberte todos os cativos da morte.

Dia de luto, de oração, meditação entre todos nós cristãos, aonde somos convidados a uma profunda conversão, buscando encontrar na cruz a força para vencer todas as fraquezas e misérias que imperavam na natureza humana. 

O grande lamento da morte é a nossa incompreensão em ver na cruz a nossa Salvação.


Supliquemos ao Deus Santo, ao Deus Forte, Deus Imortal que Ele tenha piedade de nós! A cruz não é sinal de tristeza e angústia, mas é a grande Vitória de Cristo sobre a morte, para que todos aqueles que o Pai ama, participem da morada eterna. 

Sabemos que o ponto alto do Tríduo Pascal não é a cruz, mas a vitória sobre ela; a Ressurreição e a vida de todos nós. 


Roguemos ao Cristo sofredor que cure e conceda a paz e difunda a saúde sobre a terra, com o seu bálsamo de misericórdia.


Crisjoli Fingal 

LAVA PÉS

Hoje recordamos o maior gesto de humildade, desprendimento e amor... por parte de Deus. Lavar os pés dos discípulos é preparar os passos do próximo para que sua vida possa caminhar na paz e na saúde. O gesto do lava pés perspassa a nossa razão, porque não é simplesmente um ato biológico, é a transcendência da prática do amor. Lavar os pés é despir de toda vaidade e orgulho que empobrece a natureza humana e nos impede de olhar o próximo como nosso semelhante.

Na instituição da Eucaristia, institui-se o sacerdócio do Cristo e o Serviço da Igreja. Na celebração eucarística presidida pelo próprio Cristo, o gesto do lava pés simboliza o desprendimento de Deus ao encarnar-se na humanidade, humilhar-se aos pés dos discípulos é desfazer de todo status social. O Mestre ensina que todos devem servir ao próximo. Lavar os pés é condição para participar da comunhão, este gesto simboliza a purificação da própria vida.

Com um pouco de água e com gestos de humildade
Jesus depôs de seu manto e inclinou aos pés dos discípulos
E no silencio de sua alma ensinou o mandamento da caridade.

Crisjoli Fingal

terça-feira, 3 de abril de 2012

ESCUTA TEU CORAÇÃO


Escuta teu coração nas horas incertas,
Quando teus fortes argumentos
Não forem suficientes
Para responder aos teus lamentos

Escolha as palavras certas
Ajustando teus pensamentos
Perfumando tua mente
Com o doce unguento

Crisjoli Fingal

Cora Coralina

Loading...