sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

A DONA DA XÍCARA

Que saudade daquela xícara de café. Café suave, com gosto de leveza. Café passado no coador de pano. Água fervente do fogão a lenha. Chaleira de ferro.


Café com sabor de campo. De roda de família grande. Café da roça, cheiro da terra. Café nobre. Nobreza de nome. Café servido a duas mãos. Café com broa, com biscoito de forno. Café com pitadas de canela.


Café servido em xícara de porcelana. Xícara de nome também. Xícara do século passado. Guardada na cristaleira da família. Xícara de várias gerações. De uma única família. Xícara que atravessou o oceano. Veio de longe. Xícara chique que serviu senhores e doutores. Xícara de mesa farta. Única peça que sobrou do conjunto importado.

Xícara que as mãos negras lavaram centenas de vezes, depois dos cafés com os políticos. Xícara que as escravas quebraram das peças do conjunto, quando no descuido fitou o olhar pela janela.Sinhá não tinha maldade. Não brigava. Ela era diferente. Nunca surrava as escravas.

Xícara de muitas histórias. Histórias de amor, de traição. Xícara de pedido de noivado e até de casamento. Xícara do verão nas tardes belas que servia o café da roça. Xícara do inverno para aquecer o amanhecer de geadas.
Xícara... Ah xícara! De longas datas. De muitos regalos. Inúmeras histórias... Várias mãos...

                Mas, xícara de uma única dona; Sinhá D. Ana.


Crisjoli Fingal

Nenhum comentário:

Cora Coralina

Loading...