terça-feira, 16 de maio de 2017

TRAVESSIA




Corro o risco de duvidar
Da própria natureza
Talvez, o fim seja este lugar
De recordação e sem leveza

Pulo ondas das águas salinas
Que escorreguem pelo seu rosto
É a saudade das gotas cristalinas
Que procura por outro posto.

Navego neste mar sem porto
Sem destino para atracar
O vento é o meu marinheiro
Que me leva neste mar morto.
Crisjoli Fingal

Nenhum comentário:

Cora Coralina

Loading...